Antes da Estante

As surreais lições de Zé do Caixão, na Piauí 61

Posted in Jornalismo, Piauí by Tomás Chiaverini on outubro 17, 2011

O doce mais doce que o doce

As lições gasosas de Zé do Caixão para aprendizes de detetive

por Tomás Chiaverini

Apertados em carteiras de fórmica bege, os 38 aspirantes a detetive particular silenciaram assim que Zé do Caixão adentrou a sala de aula. Passava um pouco das 10 horas de um sábado. O sol entrava pelos janelões e diminuía a aura macabra do cineasta, levemente encurvado aos 75 anos. As unhas longuíssimas, encardidas e retorcidas – seu traço distintivo mais marcante – haviam sido cortadas duas semanas antes. Ele tampouco trajava a característica capa preta sobre a camisa. Mas isso não impediu que, ao lado do quadro-negro, José Mojica Marins atraísse total atenção dos alunos do Instituto Universal dos Detetives Particulares, no Centro de São Paulo.

Leia matéria na íntegra…

Campeonato de cubo mágico, na polêmica Piauí 59

Posted in Jornalismo, Piauí by Tomás Chiaverini on agosto 15, 2011

Cada um no seu quadrado

É de Uberlândia o recordista sul-americano de montagem de cubo mágico

por Tomás Chiaverini

ara os pobres de espírito, o cubo mágico é um brinquedo dos mais irritantes. Tentativas obstinadas para deixar cada um de seus seis lados com quadradinhos da mesma cor não costumam render mais do que horas perdidas e frustração. A maioria desiste e larga numa gaveta qualquer o quebra-cabeça endiabrado. Os mais arrebatados destroem o cubo a marretadas ou arremessam-no contra a parede, num compreensível acesso de ira.

Mas, assim como existem aqueles que conseguem assoviar, estalar os dedos, mexer as orelhas ou dobrar a língua, há também uma elite privilegiada capaz de resolver o quebra-cabeça com certa facilidade. Pior: há cidadãos que desembaralham o tinhoso com uma rapidez de dar raiva aos reles mortais. O australiano Feliks Zemdegs, o mais ligeiro do mundo na solução do cubo mágico, ajeitou certa vez os seis lados em espantosos 5,66 segundos – pouco mais de metade do tempo que o jamaicano Usain Bolt levou para bater o recorde dos 100 metros rasos. Zemdegs tem 15 anos.

Continue lendo…

Na revista piauí deste mês

Posted in Jornalismo, Piauí by Tomás Chiaverini on junho 13, 2011

As aves que aqui não gorjeiam

Um ornitólogo holandês busca algo que cante em São Paulo

por Tomás Chiaverini

O sábado amanheceu nublado como num conto de Edgar Alan Poe. No Parque Villa-Lobos, às margens da Marginal Pinheiros, apenas dois ou três valentes paulistanos desafiavam o frio e trotavam, orgulhosos, com o peito estufado de saúde. Às sete da manhã, o silêncio só é cortado pelo ronco distante dos aviões, que a cada dez ou quinze minutos cruzam o céu a caminho do Aeroporto de Congonhas.

Como nenhum pássaro se dá ao trabalho de cantar em homenagem ao dia cinzento, o desânimo abate o grupo de aficionados por aves que perambula pelo parque. Metidos em calças cáqui e botas de trilha, os catorze caminham devagar, em silêncio, olhos e ouvidos atentos. Alguns levam pequenos binóculos pendurados no pescoço, outros carregam gravadores de última linha, como os usados nos filmes de espionagem.

Continue lendo…

Marrakech, na Piauí de setembro

Posted in Piauí by Tomás Chiaverini on setembro 13, 2010

Para inglês ver

Cobras marroquinas são fonte de raro prazer

Tomás Chiaverini

Reza a prudência que não se deve flanar na ruidosa, calorenta e colorida praça central de Marrakech. Os lúcidos caminharão firme e com propósito, não exageradamente rápidos, para não revelar medo ou insegurança, nem lentos em demasia, para não excitar os predadores. A esse andar construidamente senhor de si é necessário apor um olhar específico, fluido, desinteressado. O semblante deve exibir uns fumos de mau humor, porém necessariamente tênues, vaporosos, de maneira a não produzir o efeito contrário, pois são legião os comerciantes que se sentem atraídos por desafios.

O essencial, de todo modo, é jamais, em hipótese alguma, fazer contato direto com os olhos de um vendedor marroquino, os quais devem ser considerados translúcidos?– pela simples e boa razão de que, assim, em vez de encará-los, será possível olhar através deles. Quem não se achar capaz de dominar essa complexa arte de olhar atravessado não vá a Marrakech. Ou então compre óculos escuros. Quanto maiores, melhor.

A praça onde não se deve passear gostosamente leva o nome de Djemaa el-Fna, ou “Assembleia dos Mortos”. No passado, era ali que ocorriam as execuções capitais. Sobre aquelas pedras rolavam cabeças de condenados, imagem que convinha ter sempre fresca na mente, como lição. Hoje, contudo, nesse lugar historicamente perigoso, o transeunte pode se despreocupar quanto ao destino de sua cabeça, o que é uma vantagem, pois o libera para se preocupar integralmente com o bolso.

Continue lendo…

Tagged with:

Na Revista Piauí deste mês…

Posted in Piauí by Tomás Chiaverini on julho 19, 2010

Vai uma prece aí, freguesa?

Neste enregelado anoitecer de junho, ao volante de seu moribundo Fiat Uno, Maria Lopes, de 57 anos, é só desolação. As bijuterias que vende para garantir o sustento foram furtadas de sua casa, ela acaba de sair da delegacia, não tem esperanças de que a justiça terrena interceda a seu favor e, perfeitamente derrotada, se vê presa num congestionamento descomunal na Vila Mariana, em São Paulo?- especificamente, no trecho mais largo da Domingos de Morais.

De repente, nesse mar vermelho de luzes de freio, lá vem coisa. Um rapaz parece caminhar bem em direção a Maria. Como um Moisés pós-industrial que partisse o oceano de carros, ele ergue um cartaz acima da cabeça: “Nunca diga não para uma oração.” Frequentadora ocasional de templos evangélicos, Maria não poderia estar mais de acordo. Jamais recusaria um tête-à-tête com o Criador, ainda mais na atual conjuntura.

Cem arrastados metros adiante e o seu agonizante Unozinho é cercado por um coletivo de jovens evangélicos que agitam os braços e distribuem panfletos. Outros tantos metros e já não resta dúvida: o Senhor chama. Apenas que, enjoado de se fazer anunciar por arbustos em chamas, pombas alvíssimas ou trovões tonitruantes, dessa vez Ele optou por uma singela faixa que duas belas jovens fiéis seguram com circunspecção: drive-thru de oração?- receba uma oração sem sair do carro.

Continue lendo…

Tagged with:

Estréia na revista Piauí

Posted in Piauí by Tomás Chiaverini on maio 15, 2010

Morrer em São Paulo

Praguejando e bufando, com gestos apressados de jovem, meu avô vestia o último terno de sua vida. Cabelos brancos, baixo e encurvado, já quase não tinha carne nos músculos. Era osso e pele apenas. Uma pele branca, seca e enrugada. Uma pele de papel. Mas naquela tarde ensolarada de inverno, tomado pela irritação, não parecia ter 92 anos e se movia como um garoto marrento.

Começara pela manhã o impasse. Ele se queixara à minha mãe, dizendo sentir dor nos ombros e estranhar que suas fezes estivessem escuras, pretas como piche. Ao telefone, o sobrinho médico foi categórico. A aparência de piche sinalizava um sangramento grave. Uma hemorragia no estômago provavelmente. Se não fosse internado imediatamente, meu avô morreria em algumas horas.

Continue lendo…

Tagged with:
%d blogueiros gostam disto: