Antes da Estante

Record, raves, e o padrão de Ana Paula

Posted in Uncategorized by Tomás Chiaverini on julho 31, 2009

Tive uma sensação de déjà vu, ontem, assistindo ao Jornal da Record. Pela segunda vez na semana a nova casa de Ana Paula Padrão exibiu uma reportagem denunciando mortes e tráfico de drogas em raves.

Da primeira vez  (acho que foi na terça-feira), já achei um pouco estranho, principalmente por não haver algum fato realmente novo, que justificasse a exploração do assunto em horário nobre. Além disso, a edição da reportagem deixava claro que houve um bom tanto de manipulação na forma como tudo foi montado. Mas, tudo bem, uma vez, vá lá. Afinal, falamos da rede Record, de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus.

Mas eis que ontem, cometendo o desatino de assistir novamente ao mesmo telejornal, me deparo com uma segunda matéria atacando as raves. Não era idêntica, mas quase. As mesmas imagens, as mesmas entrevistas, os mesmos personagens, sem praticamente nenhum fato novo. O assunto era a morte de um garoto, numa festa Tribe, há mais de um ano.

Refestelado no sofá, portanto, refletia eu sobre os sinistros rumos do jornalismo televisivo nacional, quando, mais uma vez, a Record me surpreendeu. Sapecou no ar uma longa reportagem a respeito dos bastidores de sua próxima novela. Vejam bem, leitores da geração déficit de atenção! Tratamos do programa jornalístico sério da emissora, que pretende fazer frente ao Jornal Nacional.

Pois eu, caro Edir, voltei correndo para a companhia de Fátima Bernardes e seu tremelicante esposo, William Bonner (percebam como ele chacoalha enquanto fala).

Quanto a você, cara Ana Paula, está muito longe de seu padrão. Desculpem o trocadilho infame, mas não resisti.

Anúncios
Tagged with: , ,

6 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. […] em uma rave sempre chama mais atenção do que uma morte em uma micareta, como por exemplo nas reportagens recentes do novo jornal da Ana Paula Padrão, que falam de uma morte ocorrida há mais de ano (sem fato […]

  2. Anderson Franco Carvalho said, on agosto 1, 2009 at 16:18

    Entendo que é papel da mídia noticiar fatos negativos em festas ou em qualquer local,entretanto notíciar exaustivamente com uma manipulação absurda é um tanto questionável.

    Se me permite,colocarei seu comentário em meu blog,com a referida fonte citada,pode ser?

    Abrahh

  3. Tomás Chiaverini said, on agosto 2, 2009 at 15:10

    Pode usar sim, Franco, sem problemas.

  4. Wilame Morais said, on agosto 4, 2009 at 16:28

    Estive acompanhando seu blog e li o post a respeito da receptividade no evento Respect, sou produtor de raves e havia me interessado bastante por seu livro, mas em resenhas mesmo a do Mauro, vi que você abordou muito o assunto “droga”, esse assunto é um assunto tão normal dentre os produtores que se quer lembramos disso com o passar do tempo. Acabamos criando conceitos de eventos e tentamos ao máximo uma manipulação para redução disso ou amenização da imagem de uma rave vista por pessoas que não a frequentam, o esforço para isso acontecer, ou para se criar um conceito de evento na qual abordem vários tipos de assuntos, sejam eles culturais ou não, deveria ter sido mais abordado no livro, não é a toa que compreendo o comportamento das pessoas na Respect com sua presença, porque quando você chegou na cena, talvez a chance de se mudar a imagem de uma rave, mesmo com drogas, poderia ter sido sua, assim respectivamente você agradaria a gregos e troianos e não à um pequeno grupo que se interessa pelo assunto, como os sociólogios no caso dos 13,7. Diante tantas criticas feitas por quem frequenta a cena trance, vou preferir não comprar seu material, talvez se vc tivesse destinado à população em geral e também tivesse pensado em como a receptivade do seu conteúdo pudesse ter sido abordada pelos ravers, talvez seu livro vendesse MUITO mais do que já é vendido, muito nunca é demais. Espero que me compreenda, é apenas uma crítica construtiva, não vim só falar que não vou comprar, mas vim te dizer o porque disso, leia o link a seguir um abraço. > http://brasigo.com.br/perguntas/voce-sabe-ouvir-criticas-construtivas

  5. Tomás Chiaverini said, on agosto 4, 2009 at 16:45

    Não aceito críticas cegas.

  6. wilame said, on agosto 5, 2009 at 17:47

    então apague meu comentário, um abraço.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: